loader image
seção III
AVANÇOS ENVOLVEM PECUÁRIA,
QUALIDADE E SEGURANçA DOS ALIMENTOS
Assim como em suas indústrias, a Companhia atua sob rigorosos critérios de sustentabilidade também na originação do gado, sua principal matéria-prima, fazendo com que a adoção de melhores práticas esteja presente de ponta a ponta em sua cadeia produtiva. Integrante do GTPS, principal mesa-redonda de carne sustentável no Brasil, a Minerva Foods adota critérios socioambientais para monitoramento de seus fornecedores e consequente combate ao desmatamento, com todas as compras de gado submetidas à avaliação do setor de sustentabilidade. Em 100% das compras, são verificados:
  • Conformidade ambiental – Consulta à lista de áreas embargadas pelo Ibama.
  • Conformidade trabalhista – Consulta ao Cadastro de Empregadores que tenham submetido trabalhadores a condições análogas à de escravo, emitida pela Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia.
  • Regularização fundiária – Consulta ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) e a demais documentos de posse da terra.

Para as propriedades fornecedoras localizadas no bioma Amazônia, é realizado ainda o monitoramento geoespacial via imagens de satélite para verificação da existência de desmatamento, sobreposições a terras indígenas e unidades de conservação. Fornecedores em desacordo com quaisquer das exigências adotadas pela Companhia são inseridos em lista de bloqueio, tornando-se inabilitados para comercialização até que a situação seja regularizada. O sistema de monitoramento contém mais de 2,4 mil fornecedores de gado bloqueados por não cumprimento aos critérios estabelecidos e a Companhia atua apoiando seus fornecedores para regularização dos pontos de não conformidade.

Anualmente o processo é assegurado por auditorias – em 2019 foi atribuída 100% de conformidade na avaliação feita pela empresa BDO RCS Auditores Independentes.

No Paraguai, a Companhia é pioneira na realização do monitoramento geoespacial de 100% de seus grandes fornecedores, de forma a restringir a comercialização com aqueles em cujas propriedades sejam detectados desmatamento ilegal, invasão a terras indígenas e áreas de proteção ambiental.

Em 2018, quando o monitoramento foi iniciado, foram cadastradas e analisadas 289 propriedades, que correspondem a uma área de mais de 360 mil hectares e em 2019 foram cadastradas e analisadas mais 270 propriedades em área de mais de 339 mil hectares, totalizando mais de 699 mil hectares monitorados. Na auditoria de asseguração do processo realizada no Paraguai foi atestado 100% de conformidade com os critérios adotados pela Companhia. 102-9 | 304-2

Programas e tecnologia
alinham ações
com pecuaristas

A Minerva Foods detém uma série de programas e recursos tecnológicos por meio dos quais mantém canais de comunicação direta com os fornecedores, alinhando ações que garantem a integridade das operações e da relação com os parceiros.

Eficiência da Carcaça (PEC) – O programa, considerado um dos destaques de 2019, foi desenvolvido em parceria com a Phibro Animal Health. Seu objetivo é promover reconhecimento e divulgação das melhores práticas para uma pecuária eficiente, buscando a integração da cadeia produtiva, aproximando produtores, indústria e setor de insumos. Além disso, a ideia é trazer mais oportunidade aos produtores pela padronização e produção de carcaças com maior valor percebido pelos consumidores. A iniciativa contempla animais de quaisquer raças e avalia características como uniformidade do lote, peso padronizado, acabamento adequado, menor idade e pH ideal da carne. O modelo adotado para estimular a participação dos pecuaristas foi a premiação das melhores carcaças levadas ao abate entre março e agosto de 2019. A primeira experiência com o PEC envolveu as unidades de Araguaína (TO) e Palmeiras de Goiás (GO), reunindo 232 pecuaristas inscritos e um total de 99.696 animais abatidos. Durante o período de coleta das informações, foi possível avaliar o perfil de compra de gado de cada estado e mapear as ações que seriam trabalhadas com os pecuaristas. A ideia é dobrar a abrangência do projeto em 2020, incluindo mais duas unidades da Minerva Foods.

Laço de Confiança – Criado para promover o relacionamento ético e transparente com os pecuaristas, por meio do compartilhamento de conhecimentos técnicos e práticos relacionados à qualidade, à produção e ao aprimoramento da pecuária sustentável. Em 2019, 5.761 fornecedores estavam cadastrados no Laço de Confiança. Todos receberam relatórios sobre as condições climáticas por região, artigos técnicos sobre práticas de produção e aumento da produtividade, resultados trimestrais da Companhia e pesquisas de confinamento com análises sobre as tendências de mercado e romaneio de abate, para citar alguns exemplos.
Minerva Pecuarista – Em 2019, o trabalho já realizado pelo Laço de Confiança foi reforçado e ampliado com o lançamento do aplicativo Minerva Pecuarista. O recurso permite ao pecuarista obter, pelo telefone celular, informações sobre agendamento de abates dos seus animais, romaneio, histórico dos abates, perfil do gado abatido e preços, além de poder baixar toda a documentação envolvida no negócio. No fim de 2019, mais de 500 fornecedores já haviam baixado o aplicativo. Em 2020, o projeto entra na segunda fase, em que novas funcionalidades deverão ser agregadas ao recurso.
Falando de Pecuária – Realizado no âmbito do Laço de Confiança, o programa consiste em encontros, palestras e visitas de campo a pecuaristas. Durante todo o ano, técnicos, veterinários, zootecnistas e agrônomos fazem apresentações e conversam com os fornecedores sobre temas relacionados a qualidade, sustentabilidade, bem-estar animal, abate humanitário, entre outros. Em 2019, foram realizados encontros em seis estados – São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso, Tocantins e Rondônia – que contaram com a participação de pecuaristas.
Padronização de processos e
gestão integrada garantem
melhores práticas

A Minerva Foods trabalha com processos internos padronizados nas áreas de Saúde e Segurança Ocupacional, Segurança de Alimentos, Meio Ambiente e Responsabilidade Social, por meio do SGI. Além de proporcionar maior eficiência nos processos produtivos, os procedimentos reduzem exposição a riscos e possibilitam uma visão global das oportunidades de negócios e demandas de mercado.

As áreas englobadas pelo SGI atuam de forma colaborativa, com foco na melhoria contínua dos processos produtivos e no compartilhamento de boas práticas. No ano de 2019 foi iniciada a construção de um gerenciamento de rotinas para as unidades produtivas. Essa sistemática é composta por reuniões periódicas que abordam e tratam com os gestores de negócio cada um dos pilares mencionados acima.

Um dos projetos, realizado anualmente, é a Jornada SGI, que incentiva o engajamento de todos os colaboradores. Em 2019, o evento incluiu treinamentos e atividades de conscientização sobre temas relevantes para as áreas que compõem o SGI e para a governança da Companhia, como Antissuborno, Anticorrupção e Prevenção à Ocorrência de Conflitos de Interesses.

A jornada contou ainda, mais uma vez, com a ação Portas Abertas, que promoveu atividades de cunho social para mais de 5 mil pessoas, recebidas nas unidades da Companhia. Entre as iniciativas destacam-se a realização de exames médicos simples, como de acuidade visual, aferição de pressão arterial e medição de glicemia e exames de saúde bucal e orientações sobre a prevenção do câncer de mama e do câncer de próstata. No Portas Abertas também foi comemorado o Dia das Crianças, com a participação das famílias de colaboradores e das comunidades próximas.

Foram ainda conduzidas limpezas das nascentes do Arroyo Mburicao e das margens do rio Paraguay, ação que contou com a participação de cerca de 600 colaboradores da Athena Foods do Paraguai e teve como resultado a coleta de mais de 42 toneladas de resíduos recicláveis.

O SGI também atua no gerenciamento de riscos e impactos por meio da gestão de indicadores e formalização dos processos em documentos internos, que incluem política de saúde e segurança, meio ambiente, segurança de alimentos e responsabilidade social, estabelecendo as seguintes diretrizes:

  • Promover e proteger a saúde e segurança das pessoas que trabalham na Minerva Foods;
  • Respeitar o meio ambiente por meio da prevenção da poluição e conservação da natureza;
  • Promover práticas de manejo visando ao bem-estar animal;
  • Oferecer produtos alimentícios seguros e de qualidade e trabalhar na melhoria contínua;
  • Respeitar seus colaboradores;
  • Promover a participação e desenvolvimento da Companhia com as comunidades locais;
  • Cumprir a legislação;
  • Buscar atender às necessidades e expectativas de seus clientes.
Excelência é o foco
em qualidade e segurança
de alimentos

Única empresa do setor frigorífico da América Latina a obter reconhecimento da IFC, braço do Banco Mundial que é referência em práticas sustentáveis no mercado financeiro, a Minerva Foods aplica os mais rigorosos procedimentos que permitiram agregar à marca elevados padrões de qualidade e segurança de seus alimentos. A Companhia mantém em todas as unidades programas de autocontrole monitorados diariamente, dos quais destacam-se:

  • Análise de Perigos e Pontos Críticos de Controle (HACCP, em inglês Hazard Analysis and Critical Control Point), que assegura que todos os perigos considerados significativos no processo produtivo se mantenham sob controle, garantindo a segurança dos produtos comercializados pela Companhia em todas as etapas da cadeia de produção;
  • Procedimento Padrão de Higiene Operacional (PPHO), que define os procedimentos de sanitização e higienização no ambiente produtivo;
  • Procedimento Sanitário Operacional (PSO), que determina as diretrizes sanitárias para garantir que os produtos estejam livres de qualquer contaminação;
  • Bem-Estar Animal (BEA), que estabelece e padroniza métodos humanitários de manejo de animais em todas as etapas da cadeia produtiva;
  • Boas Práticas de Fabricação (BPF), que são procedimentos operacionais padronizados, visando proteger a saúde do consumidor, do colaborador e ainda, preservar o meio ambiente.

Em toda a produção são avaliados os impactos relacionados à segurança de alimentos, a fim de garantir o controle sanitário nas unidades e atender a regulamentos, legislações e normas aplicáveis. Além disso, elas são vistoriadas pelo SIF, no Brasil, e pelos órgãos responsáveis da Argentina, da Colômbia, do Paraguai e do Uruguai, que operam em regime permanente de inspeção.

Todas as plantas industriais da Companhia no Brasil, Paraguai, Uruguai e as unidades de Rosário e Pilar, na Argentina, são certificadas na norma Brand Reputation through Compliance (BRCGS), reconhecida pela Global Food Safety Initiative (GFSI), uma organização privada cujo foco é a garantia e a padronização de critérios de qualidade e segurança de alimentos.

Em paralelo às certificações conquistadas por meio de órgão independente, as unidades industriais contam ainda com auditorias de segunda parte para os clientes McDonald’s e Burger King, sendo possível garantir o cumprimento e o atendimento a requisitos legais e de clientes.

Adicionalmente, há certificação internacional para exportar carne orgânica nas unidades de Araguaína (TO), Barretos (SP), Janaúba (MG) e Palmeiras de Goiás (GO). Essa produção, que passa por auditoria anual, ocorre em unidades habilitadas e com um rigoroso sistema de rastreabilidade, garantindo o consumo de um produto de qualidade e seguro. Todas as plantas do Paraguai e do Uruguai também possuem habilitação certificada para exportação de carne orgânica. A unidade da Colômbia possui certificação HACCP, que atesta a conformidade do sistema de autocontrole de higiene e segurança dos alimentos.

Em 2019, as unidades industriais receberam missões sanitárias internacionais de países como Estados Unidos, China, Chile, Filipinas, Rússia, União Europeia, Tailândia e Peru, com o objetivo de avaliar o sistema de inspeção brasileiro e os sistemas correspondentes em cada país de atuação, além do atendimento a requisitos específicos por parte do setor privado para produção e expedição de alimentos seguros e de qualidade.

Ao atuar com o foco no cumprimento de boas práticas que assegurem a produção de um alimento seguro, a Companhia conta também com um rigoroso controle de perigos químicos.

Brasil
Todas as unidades da Minerva Foods aprovadas para exportação de carne são submetidas anualmente aos programas de monitoramento e exploração do Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes (PNCRC) de produtos de origem animal, estabelecido pelo Mapa. As ações do PNCRC têm objetivo verificar a presença de resíduos de produtos químicos potencialmente prejudiciais à saúde dos consumidores, como resíduos de medicamentos veterinários, pesticidas ou similares, contaminantes ambientais e contaminantes inorgânicos.

Paralelamente, a Companhia desenvolve o Programa de Controle de Resíduos Químicos (CRQ), que contempla a realização de análises laboratoriais, de acordo com a avaliação de risco dos seguintes aspectos, como metodologia de verificação:

1. Identificação das regiões do Brasil de onde o gado é abatido;
2. Revisão dos resultados do PNCRC dos últimos 6 anos, em âmbito nacional, para determinação dos resíduos químicos de razoável probabilidade de ocorrência;
3. Avaliação dos sistemas de “alerta violação” emitidos pelos principais países importadores acerca de produtos químicos.

Todos os lotes de animais recebidos pelas unidades fabris da Minerva Foods são acompanhados por uma Declaração do Produtor, assinada pelo proprietário dos animais, a qual confirma que não foram administrados hormônios, substâncias anabolizantes, antibióticos e promotores de crescimento nos animais. Nessa declaração, o produtor também confirma ter cumprido com o período de carência determinado pela autoridade competente em casos de administração de medicamentos veterinários.

Adicionalmente, durante o recebimento dos animais no estabelecimento, 100% dos lotes devem vir acompanhados de uma Carta de Garantia, estabelecida pela empresa e encaminhada ao proprietário no momento da compra do gado, contendo informações sobre os animais que serão abatidos e se receberam medicamentos veterinários. Todas as informações contidas na carta são devidamente verificadas pelos profissionais da Minerva Foods.

Com o intuito de estabelecer uma parceria de confiança com seus fornecedores, a Minerva Foods promove uma série de encontros intitulados Falando de Pecuária, ao longo dos anos e nos diversos estados em que possui unidades instaladas. No evento, são apresentadas palestras, entre outras atividades, sobre o programa interno de controle de resíduos e sua importância na saúde pública e consequentemente no cenário internacional.

Athena Foods
O controle de perigos químicos nas unidades da Athena Foods segue o estabelecido nos planos nacionais de resíduos da Argentina, Colômbia, Paraguai e Uruguai.

Todos esses planos contemplam a realização de análises laboratoriais, conforme cronograma de amostras emitido pelos serviços de inspeção governamentais para determinação da presença de resíduos de medicamentos, antibióticos e outros químicos.

A Companhia orienta seus fornecedores que todos os lotes devem estar em conformidade com o estabelecido na legislação e, no momento do recebimento dos animais, exige uma declaração do proprietário do lote afirmando que não houve utilização de hormônios, substâncias anabolizantes, antibióticos e outras substâncias promotoras de crescimento.

Nova estrutura reforça
bem-estar animal na gestão
de sustentabilidade

O Programa de Bem-Estar Animal está adotado nos negócios da Minerva Foods com o compromisso de padronização e modernização dos métodos humanitários de manejo, embarque, transporte, desembarque, e demais processos realizados em nossas instalações.

O entendimento de que o bem-estar animal é parte essencial da produção industrial moderna desencadeou um intenso processo de revisão estratégica do tema na Companhia. Buscou-se alinhar a agenda do bem-estar animal como assunto prioritário para a sustentabilidade, além de fomentar os valores que norteiam a Minerva Foods. Esse trabalho resultou na criação de uma nova área para governança específica do tema, que passou a estar submetida à Gerência de Qualidade.

Com ela, a área de Bem-estar Animal adquiriu força corporativa, e a divisão passou a ter um profissional dedicado exclusivamente ao tema em cada uma de suas respectivas unidades de produção. No Diário de Bordo desses colaboradores consta o acompanhamento da rotina de fábrica, realização de monitoramentos diários e semanais, gestão de indicadores e treinamentos, internos e externos, para a implementação da cultura do bem-estar animal.

A Companhia acredita que o novo modelo de gestão proporcionará maior disciplina na execução das ações, resultando em uma constante melhora nos cuidados dos animais.

Comitê
Foi criado também um Comitê de Bem-estar Animal corporativo para dar visibilidade ao tema, de caráter multidisciplinar, composto por representantes das áreas de Logística, Compra de Gado, Qualidade, Sustentabilidade e Comunicação. Seu objetivo é estabelecer diretrizes estratégicas, mantendo a constante evolução da área, com acompanhamento de tendências de mercado e de exigências de consumidores. O comitê é responsável também por priorizar ações e planejar investimentos para melhorias contínuas em cada uma das unidades produtivas. Os principais temas discutidos são levados à alta gestão periodicamente para que sejam feitos alinhamentos internos a fim de definir a tomada de decisões.
O crivo de exigências de bem-estar animal da Companhia vai muito além de cumprir as normas e legislações brasileiras. Adota padrões rigorosos de bem-estar animal em seus processos, seguindo legislações como o Regulamento 1.099, da União Europeia, o protocolo da AMI, dos Estados Unidos, e o Regulamento de Rastreabilidade da União Europeia e Chile, além de cumprir requisitos específicos de clientes.

A comprovação desse posicionamento empresarial é que todas as unidades no Brasil, Paraguai, Uruguai e as unidades de Rosário e Pilar, na Argentina, possuem certificação PAACO, aferida por instituições internacionalmente reconhecidas, e no ano foram investidos mais de R$ 970.000,00 em atividades e ações voltadas ao bem-estar animal.

Em 2019, todas as plantas da Minerva Foods receberam pontuações acima de 96% de conformidade nas auditorias PAACO, confirmando a excelência em bem-estar animal. As plantas de Araguaína (TO), Barretos (SP), Janaúba (MG) e Palmeiras de Goiás (GO), localizadas no Brasil e todas as unidades do Paraguai e Uruguai possuem certificações orgânicas que também atestam critérios referentes ao nível de bem-estar dos animais. Confira mais informações a respeito no tópico “Animais”.
Programa
A Companhia mantém um Programa de Bem-estar Animal baseado no rigoroso controle de tolerância zero a atos de abuso, negligência ou maus-tratos aos animais, visando sempre aplicar as melhores práticas de manejo, treinamento dos envolvidos e verificações constantes de todas as etapas de produção. Para isso, adota procedimentos de autocontrole internos específicos em todas as plantas no Brasil e exterior, contemplando checklists diários e semanais de indicadores, além de realizar auditorias internas mensais.

São considerados indicadores como número de quedas, escorregões, vocalização, uso do bastão elétrico, eficiência de atordoamento, mortalidade no transporte, gravidade dos hematomas e outros. Esses monitoramentos são utilizados como ferramentas contínuas de diagnóstico e gestão do tema bem-estar animal, garantindo a implementação das melhores práticas e identificando a necessidade de ações corretivas nos processos.

A evolução dos indicadores de bem-estar animal de cada uma das unidades é tratada semanalmente em reuniões da área de qualidade corporativa, na qual os planos de ação são discutidos, verificando-se prazos de execução, priorização de investimentos e realização do ranking das unidades de acordo com o atendimento aos KPIs e metas préestabelecidas. Alguns indicadores, como gravidade dos hematomas, por exemplo, fazem parte do book de metas da Companhia e são vinculados também a metas coletivas da indústria.

Para garantir que as instalações estejam sempre em boas condições, a Minerva Foods desenvolve projeto específico de diagnóstico de pontos críticos chamado Trajeto do Boi. O objetivo é buscar a melhoria contínua das estruturas da indústria, como rampas de desembarque, portões, corredores, currais e box de atordoamento, além de realizar a verificação constante de toda a frota de caminhões. Caso desvios sejam encontrados, há a interdição imediata do local avaliado e/ou caminhão de transporte até a tratativa da não conformidade.

A Minerva Foods mantém ainda planos de contingência para situações emergenciais de sinistro descritas em seus autocontroles internos, elaborados pela equipe de gerenciamento corporativo de crises, contendo direcionamentos para a tomada de decisões rápidas em casos especiais. Os planos preveem situações adversas como falta de água e de energia elétrica, vazamento de amônia, enchentes, incêndio, tufão, terremoto, acidentes de transporte com carga viva e baixa inesperada no número de colaboradores, entre outros.

Todas as não conformidades apontadas por órgãos federais são prontamente tratadas e servem de base para correção dos desvios e combate à reincidência.

Treinamentos
A Minerva Foods foca treinamentos frequentes da equipe interna e de fornecedores em suas atividades e ações para disseminar o conhecimento sobre as principais diretrizes capazes de garantir a eficiente implementação de seu Programa de Bem-Estar Animal.

Em 2019, 200 colaboradores internos e 569 externos foram treinados. O trabalho é liderado pelos responsáveis técnicos de bem-estar animal das unidades, que realizam treinamentos semestrais para todos os profissionais que lidam diretamente com o gado vivo na indústria e motoristas de caminhões boiadeiros. Além disso, são realizadas campanhas de treinamento anuais com participação de consultores externos como BEA Consultoria, World Animal Protection (WAP) e SPT Training, para fixar as boas práticas de bem-estar animal na rotina dos trabalhadores. Há ainda treinamentos pontuais destinados a pecuaristas e seus colaboradores e periodicamente são realizados os encontros Falando de Pecuária, em que o tema é amplamente discutido.

Em todos os treinamentos de bem-estar animal, a Minerva Foods confecciona materiais específicos, denominados Kit BEA. Nos treinamentos de pecuaristas, o material inclui a Cartilha Minerva, com instruções de boas práticas de manejo animal; calendário com a lista dos principais medicamentos e respectivos prazos de carência; legislação da Política Nacional de Controle de Resíduos Químicos; e Carta de Garantia. Nas fazendas que não têm controle efetivo da aplicação dos medicamentos, é entregue um modelo instrutivo. Para alcançar o maior número de pecuaristas possível, esse material tem sido enviado também por e-mail ou pelos caminhões boiadeiros.

Os cinco domínios

O Programa de Bem-Estar Animal da Minerva Foods conta com identidade própria materializada em seu logo e tem suas diretrizes pautadas nos cinco domínios do bem-estar animal, recomendados pelo Farm Animal Welfare Committee (Fawc). O modelo é utilizado como ferramenta de avaliação e gerenciamento de bem-estar animal por possibilitar visão mais integrada sobre o processo.

Os cinco domínios são:

Domínio 1: Nutrição
Nutrição adequada, água e alimento disponível

Domínio 2: Ambiente
Oportunidade e escolha de ambientes

Domínio 3: Saúde
Ausência de doenças, ferimentos e/ou qualquer comprometimento funcional

Domínio 4: Comportamento
Expressão de comportamentos normais e suas interações

Domínio 5: Estados mentais
Predominância de sentimentos positivos

Eventos
As equipes coorporativas de Qualidade, Compra de Gado e Sustentabilidade também são frequentemente treinadas em bem-estar animal por meio de palestras, oficinas e congressos nacionais. A Companhia ainda participa, por meio de seus representantes corporativos, de palestras em atividades acadêmicas em áreas relacionadas ao negócio.

Em 2019, evento promovido pela Minerva Foods em parceria com a MSD Saúde Animal abordou os principais métodos para reduzir o estresse no manejo cotidiano do gado de corte com intuito de aumentar os índices produtivos e de qualidade do produto final. O evento contou com a presença de Temple Grandin, profissional de referência mundial no tema de manejo humanitário de animais, que também realizou visita às instalações da unidade de Barretos (SP). Entre pecuaristas, consultores, certificadoras e colaboradores da Minerva Foods, foram reunidos 288 participantes.

Nossos Animais
Todos os bovinos adquiridos pela Minerva Foods são criados com liberdade de movimentação, e o seu comportamento gregário é mantido e respeitado em todas as etapas da cadeia: cria, recria, engorda e processo pré-abate. No Brasil, em 2019, o gado adquirido pela Minerva Foods foi proveniente 21,28% de criação somente a pasto, 15,72% em regime de semiconfinamento, 12,56% em confinamento a pasto e 50,44% em confinamento. Ao contrário do que se observa nos Estados Unidos, onde os animais são confinados desde a desmama, no Brasil o confinamento é uma ferramenta de terminação, em que os animais ficam apenas de 90 a 120 dias sob densidade média de 15,5 m/animal, ou seja, somente de 8% a 10% do tempo de vida deles. A cria e a recria são etapas totalmente realizadas a pasto.

No semiconfinamento e no confinamento a pasto, que são estratégias de terminação desenvolvidas no Brasil, os animais recebem ração no cocho (1% a 2% do peso vivo), mas continuam tendo acesso ao pasto. Também no Brasil as dietas de semiconfinamento ou confinamento são produzidas com grãos ou derivados; não há uso de subprodutos de origem animal nem de hormônios ou similares para engorda.

A Companhia mantém 115 pecuaristas certificados no Brasil, com mais de 69 mil animais criados para produção orgânica, atendendo aos regulamentos 834/2007 e 889/2008 da Comunidade Europeia e do Programa Orgânico Nacional (NOP), dos Estados Unidos. Os animais têm garantia de zero utilização de antibióticos, hormônios de crescimento e alimentação com produtos de origem animal, além de altos padrões de bem-estar animal.

Além disso, a Companhia não incentiva o uso de antibióticos de forma profilática na criação de seus animais, alinhada às tendências mundiais de conscientização sobre o tema. Também não há a prática de engenharia genética, clonagem ou utilização de hormônios de crescimento em sua produção. Todos os lotes de animais recebidos são acompanhados por Declaração do Produtor de que não foram administrados hormônios, substâncias anabolizantes, antibióticos e/ou substâncias antimicrobianas como promotores de crescimento, a exemplo de doxiciclinas e ractopamina, entre outras. Para receber os animais, a Companhia exige a Carta de Garantia, assinada pelo responsável pela propriedade com a descrição de todos os medicamentos aplicados e se o período de carência foi respeitado nesse grupo de animais.

Em relação às práticas de mutilações, nenhum programa de qualidade da Companhia tem a exigência da castração dos animais, mesmo para atendimento das linhas Premium. Todos os protocolos elaborados permitem a participação de animais inteiros com adequação de idade, controlado por registro de dentes de leite. Evidência disso é que em 2019, 97,3% dos animais abatidos nas instalações da Minerva Foods no Brasil não eram castrados.

Outros procedimentos cirúrgicos invasivos, quando aplicáveis, como castração, descorna, partos e cesarianas, devem ser sempre realizados por colaborador competente e os cuidados pré-operatórios e pós-operatórios devem seguir rigorosamente as instruções para mitigação da dor.

A Companhia evita o transporte de bovinos por mais de oito horas para o abate. Recomenda somente realizar o transporte de machos castrados e fêmeas a um raio de 400 quilômetros e baseia seu portfólio de compras em fazendas localizadas em raio médio de 228 quilômetros das unidades de abate (em média quatro horas). Todos os caminhões têm rota pré-determinada e recomendação de densidade de transporte, e os caminhoneiros semestralmente são treinados em temas específicos de bem-estar animal e direção defensiva.

O compromisso de realizar o abate humanitário inclui a insensibilização de 100% dos animais, excluindo-se somente aqueles destinados a mercados específicos com preceitos religiosos. O abate kosher representou 3,5% de todos os abates realizados em 2019.

Indicadores
A Minerva Foods utiliza os mais modernos equipamentos e mantém colaboradores especializados em suas unidades operacionais com o objetivo de garantir o bem-estar dos animais em todas as etapas do processo. Para isso, são mantidas câmeras de monitoramento em oito de suas plantas no Brasil e em todas as suas plantas no Uruguai. Abaixo podem ser observados os principais indicadores de bem-estar animal das unidades do BrasilResíduos e contaminantes.
Resíduos e contaminantes
Todas as unidades aprovadas para exportar carne são submetidas anualmente aos programas de monitoramento e exploração do PNCRC de Produtos de Origem Animal, estabelecido pelo Mapa. O objetivo do plano é verificar a presença de resíduos de produtos químicos potencialmente prejudiciais à saúde dos consumidores, como resíduos de medicamentos veterinários, pesticidas ou similares, contaminantes ambientais e inorgânicos. Paralelamente, é mantido o Programa de Controle de Resíduos Químicos com base nos resultados obtidos no PNCRC no nível Brasil e nas próprias unidades por um período de seis anos.

Cadeia de fornecedores
No Brasil, a totalidade dos pecuaristas, transportadores e parceiros de negócios da Minerva Foods é submetida à avaliação de fornecedores. Esse programa de qualificação permite à Companhia ter acesso a números importantes da cadeia de fornecedores e pactuar alguns compromissos de bem-estar animal também para outras espécies, como aves e suínos. A Minerva Foods não possui nenhum sistema de criação de aves, suínos e peixes, sendo toda a matéria-prima utilizada adquirida de terceiros.

Grande parte dos fornecedores, possui política de bem-estar animal corporativa publicada e utiliza indicadores de bem-estar animal em seu quadro de gestão de metas. Eles também cumprem os requisitos de não utilização de animais clonados e geneticamente modificados, e de hormônios de crescimento. Todos realizam a insensibilização antes do abate.

Suínos – Todos os fornecedores de suínos têm compromisso assumido para migrar do sistema de gestação individual de gaiolas para o sistema de gestação coletivas de matrizes. Também estão empenhados em reduzir e/ou abolir as mutilações nos animais, sendo que 100% dos fornecedores realizam a imunocastração em substituição à castração cirúrgica invasiva, e não realizam o procedimento de corte de dentes nem mossa, adotando a tatuagem como forma de identificação.
Aves – Os fornecedores de produtos de aves, não possuem animais criados em gaiolas e não realizam o corte de cristas e/ou corte de asas durante a criação. Todos mantêm uma política de transporte inferior a oito horas e as aves destinadas a produtos da Minerva Foods permanecem em média duas horas no transporte.
Bovinos – A totalidade dos fornecedores de matéria-prima bovina, sejam empresas processadoras sejam propriedades rurais de criação animal, está alinhada à política de bem-estar animal e respeita cada um dos compromissos estabelecidos pela Companhia. Também estão focados em boas práticas relacionadas ao não uso rotineiro de procedimentos de mutilação.